Roberto Campos Neto – Presidente do Banco Central Crédito: Flickr BC

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, voltou a demonstrar preocupação com a situação fiscal do Brasil, mesmo com os dados mais recentes de aumento da confiança nos setores da economia e com as projeções em alta do PIB para 2021.

Campos Neto participou nesta sexta-feira, 14, de um evento virtual promovido pelo Bank of America. Ele afirmou que um aumento injustificado das despesas públicas para fortalecer a economia teria efeito líquido oposto, uma vez que a leitura seria de quebra de compromisso de regras de sustentabilidade fiscal.

Segundo o presidente do BC, o país emerge da crise da Covid-19 como um dos piores entre emergentes no que tange a elevação da proporção dívida/PIB, o que deixou a curva de juros doméstica entre as mais penalizadas nesse universo. “Se percebermos que estamos em uma trajetória de indisciplina fiscal obviamente tudo vai mudar, a política monetária, o juro neutro. Mas não achamos que estamos vendo isso”, afirmou.

Roberto Campos Neto disse que a confiança vem aumentando na expectativa de que o ritmo de vacinação contra a Covid-19 acelere nas próximas semanas. Ele trabalha com a previsão de que até 1º de julho boa parte das pessoas dos grupos de risco estarão imunizadas. “Precisamos que a reabertura acelere para que os serviços possam voltar e vejamos a recuperação mais generalizada”, concluiu.