Pilha de cifrões prateados - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

As startups brasileiras captaram US$ 8 bilhões em investimento de janeiro a outubro de 2021, em 614 deals. O volume representa 196% do total investido durante o ano de 2020 e 120% a mais do que o mesmo período do ano passado.

Somente no mês de outubro, foram 53 rodadas com US$ 779 milhões em investimentos. Os números são do levantamento mensal Inside Venture Capital, realizado pela plataforma de inovação aberta Distrito e divulgados nesta quarta-feira, 3.

O setor que recebeu maior volume de investimentos foi o de fintechs, que já acumula US$ 3,2 bilhões no ano, seguido das retailtechs, com US$ 1,04 bilhão, real estate (US$ 1,02 bilhão), edtechs (US$ 552,7 milhões) e as startups de mobilidade (US$ 366,4 milhões).

Maiores aportes

Entre os aportes do mês, destacam-se os da Cargo, logtech que fornece marketplace para conectar empresas e transportadoras e arrecadou US$ 190 milhões, e o da insurtech Justos, que recebeu US$ 38,6 milhões em rodada de Série A.

Foram realizadas em outubro 33 fusões e aquisições, totalizando 211 no ano. Em 2020, foram 165 M&As. O maior número de transações foi com fintechs (44), martechs (27), retailtechs (25), edtechs (15) e healthtechs (13).

Para Gustavo Gierun, um dos fundadores do Distrito, o cenário de venture capital continua aquecendo, com sólidos fundamentos. “No fim do primeiro semestre de 2021, tínhamos a expectativa de atingir US$ 8 bilhões em investimentos no ano, o que já ocorreu agora no fechamento de outubro”, afirma.

América Latina e mundo

No cenário mundial, o Brasil aparece como o maior ecossistema da América Latina, com volume de investimentos 130% maior que o segundo lugar, o México. Mesmo ainda em desenvolvimento, o número de deals já se assemelha ao de mercados mais consolidados, como Canadá (632 deals) e França (610 deals).

“O Brasil deixou de ser uma promessa para ser uma realidade. Estamos em um ritmo de crescimento muito intenso e agressivo e podemos nos igualar às maiores potências no mundo em número de transações e aportes”, afirma Eduardo Fuentes, responsável pelo relatório Inside VC.