Notas de cinquenta e cem reais e moedas espalhadas e em pilhas - Crédito: Freepik

Crédito: Freepik

A partir de janeiro de 2022, a taxa de custódia do Tesouro Direto passará de 0,25% para 0,20%. A informação foi dada pelo secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, em evento promovido pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em parceria com a B3.

A custódia (manutenção) dos títulos públicos comprados por pessoas físicas cabe à bolsa de valores, que recebe uma remuneração pelo serviço duas vezes por ano, uma em janeiro e outra em julho.

Segundo Bittencourt, a redução da taxa atende a um compromisso firmado entre o Tesouro e a B3 para monitorar as condições de mercado e aproveitar oportunidades para baratear de forma permanente a taxa cobrada pela bolsa de valores.

“Um aspecto muito importante para garantir a mudança do perfil da pessoa física que investe no tesouro direto, com um ticket de entrada menor e um público jovem, é o custo dele, que é mais baixo. Queremos fazer dele um produto que seja barato, acessível e seguro para o investidor”, afirmou Jeferson Bittencourt.

No início do Programa Tesouro Direto, em 2002, os bancos e as corretoras cobravam taxa de administração, e a B3 tinha taxa de custódia de 0,5%. Ao longo dos anos, as taxas de administração deixaram de existir e a taxa de custódia caiu progressivamente, até chegar a 0,3% em 2019. Naquele ano, a taxa de custódia caiu para 0,25%.

Em agosto de 2020, os investimentos de até R$ 10 mil no Tesouro Selic passaram a ser isentos da taxa de custódia.

“A parceria da B3 com a STN é antiga e rende frutos para os investidores há bastante tempo. Desenvolvemos juntos o Tesouro Direto, e essa redução da tarifa de custódia, além de outras medidas, é mais um sinal do nosso compromisso com o crescimento e democratização do mercado de capitais.”, comenta Felipe Paiva, diretor de Relacionamento com Clientes e Pessoa Física da B3.

A mudança está em linha com os esforços de aprimoramento do serviço pelas duas instituições que, recentemente, também anunciaram a liquidação dos produtos para D0. Além disso, foi incorporado um chatbot no site do TD, com a intenção de aprimorar ainda mais a experiência do atendimento ao investidor.

A redução entrará em vigor a partir de 1º de janeiro de 2022, válida para todos os produtos do Tesouro Nacional. Negociados de forma 100% online, eles possuem ampla gama de tipos de rentabilidade, podendo ser prefixados, ligados à variação da inflação ou à taxa Selic. Eles possibilitam, ainda, de forma facilitada, o acesso do investidor pessoa física aos títulos públicos.

(com assessoria e Agência Brasil)