Crédito: Freepik

A B3 alterou a metodologia do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), que permite indicar o desempenho médio das empresas bem posicionadas nas melhores práticas sociais, ambientais e de governança, ESG, na sigla em inglês.

A nova metodologia inclui a divulgação da nota geral de todas as empresas que participarem do processo de seleção (inclusive as não selecionadas para a carteira), além da pontuação obtida em cada um dos 28 temas que integram as dimensões meio ambiente, governança corporativa e alta gestão, capital humano, capital social e modelo de negócios e inovação.

Segundo nota divulgada nesta quarta-feira, 21, a XP considera o anúncio positivo, como um todo, dado que contempla critérios mais rígidos e específicos, contribuindo para a realização de questionários mais robustos. O aumento da credibilidade das empresas mais bem posicionadas no ISE também é citado pela XP, uma vez que o peso das companhias na composição da carteira não será mais baseado no seu valor de mercado, mas sim, pelo melhor desempenho ESG.

As informações estarão disponíveis ao público em geral a partir de janeiro de 2022, quando a nova metodologia entra em vigor. Atualmente, a metodologia do índice não prevê a divulgação das notas individuais nem por temas, não possibilitando a comparação entre diferentes setores e empresas no país.

O que muda no ISE B3?

  • Divulgação das notas individuais obtidas por cada uma das empresas que participarem do índice, com detalhamento, inclusive, por temas que vão do capital humano a práticas de negócios e mudança climática, permitindo a comparação entre companhias e entre setores.
  • Questionários elaborados com perguntas específicas para o setor de atuação de cada empresa permitirá o aprofundamento da análise das companhias.
  • Risco reputacional passa a ser um critério para eliminação de empresas da carteira do ISE B3.
  • Revisão da carteira duas vezes ao ano, permitindo ajustes em prazo mais curto.

O que muda para as empresas?

  • Simplificação e redução de cerca de 40% do questionário a partir da reorganização das perguntas, combinação de tópicos similares e eliminação de questões inconclusivas, além da eliminação do item Mudança de Clima, que passa a adotar o resultado do questionário aplicado pelo CDP.
  • Inscrições gratuitas. Antes o valor era de até R$ 35 mil.
  • Alinhamento a padrões internacionais.
  • Eliminação da quantidade máxima de empresas permitidas no índice.
  • Maior transparência e comparabilidade nas jornadas ESG de cada companhia.

(Com assessorias de imprensa)